terça-feira, 25 de agosto de 2015

Blá Blá Blá .... Obrigada a trabalhar com a perna e pé engessados!

  Ridículo é o que tenho a dizer das médicas que deram alta à Patrícia Esteves no dia 12 deste mês!
NOTÍCIA DO CORREIO DA MANHÃ ( CLICA AQUI )

  Passando a explicar:
  A Patrícia é minha colega de trabalho e no passado dia 7 de julho teve de ser submetida a uma cirurgia ao pé (diga-se que foi a 3ª vez que ela passou pelo bloco operatório). Até aqui tudo certo, pois há cirurgias que correm bem e outras nem tanto. Apesar da sua recuperação estar a ser gradual ela foi  submetida a uma junta médica onde se apresentou ainda com o pé e perna engessados... Para seu espanto as duas ''doutoras'' a quem se apresentou disseram que lhe iam suspender a baixa pois alegaram que ela estava apta para trabalhar.
  Quero frisar que a Patrícia não trabalha sentada a ''esfregar o cu'' nas cadeiras como essas senhoras. No nosso local de trabalho andamos de um lado para o outro, não nos sentamos a não ser na hora da nossa refeição além do peso que carregamos, pois os utentes não são propriamente leves.
  Este é o nosso sistema meus amigos, há uns que andam anos a receber subsídios por uma ''dorzinha'' que por vezes nem existe e depois quem realmente tem direito a ele é mandado trabalhar. Lamentável!!!

***Foto retirada do sitio do Correio da Manhã***

3 comentários:

  1. é mesmo severo este sistema, a minha sogra o ano passado aconteceu o mesmo, foi submetida a varias juntas medicas afirmando todas que o seu cancro não era impedimento de trabalho, apos algum tempo conseguimos a invalides absoluta, o pior foi pensarem que ainda era apta para o trabalho ja no seu estado e este ano infelizmente ja não aguentou mais e acabou por falecer. Quando realmente devem dar baixas não as dão e muita gente que vive de invalides (sem nunca a ter tido) e de baixa se sequer o aparentar... E por vezes ainda se riem do sistema ter acreditado neles....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo desumano o que que estas pessoas que dizem zelar pela saúde dos demais fazem. Não têm qualquer tipo de ética profissional. É revoltante o que fazem com quem está a precisar de apoio e depois há os que passam a vida a passear de um lado para o outro a viver dos subsídios... :-(

      Eliminar